A família no desenvolvimento pessoal e profissional

Colunista: Alessandro NatalPreservadas as exceções, a maioria dos pais seja por falta de tempo ou por não perceber a importância de estarem sempre ao lado dos filhos nessa jornada, ao fim e ao cabo, os pais jogam a toalha e entregam o futuro dos seus sucessores naturais nas mãos da sorte.
Devido a esse abandono no processo de formação, raramente os jovens conseguem disciplinar seus estudos e costumam desrespeitar regras e valores sociais básicos, sob o olhar distraído ou até complacente dos adultos, que, por uma aceitação generalizada do livre arbítrio como sendo algo anárquico, consideram tudo muito salutar, politicamente correto, natural nessa fase da vida.
Esse espírito de liberdade sem limites faz com que a qualidade da educação oferecida aos seus filhos raramente seja questionada. Quando chega o momento da decisão profissional, já é tarde para lamentar o desajuste e a situação se torna difícil para o jovem. A insegurança ganha a dimensão do mundo. Mas o jovem, nesse momento, sabe que não pode perder tempo.
O fato é o seguinte: está na hora de ingressar ao mercado de trabalho, fazer um curso técnico, arriscar direto um vestibular, fazer curso preparatório ou, ainda, entrar na faculdade mais próxima de casa, como a maioria dos seus amigos está fazendo. Assim, segue seu caminho, tateando ao léu os sinais que o conduzem,  sem a certeza da trajetória escolhida. A falta de segurança faz com que continue não tendo o aproveitamento acadêmico adequado onde quer que esteja, inclusive nessa segunda fase da vida, o que reforçará o impacto negativo mais tarde inclusive nas suas experiências profissionais futuras.
É preciso ter sempre em mente que estas análises levam em consideração a postura da maioria das famílias. Sabemos, obviamente, que há exceções e que muitos pais, principalmente da classe média, perceberam a necessidade de estabelecer critérios mais rigorosos para a formação de seus filhos e se sacrificam por isso, pois sabem que mundo cobrará mais tarde.

Estamos preparados para a batalha da concorrência?

Para o jogo que virá

Tudo tem consequência