Falar é facil. Fazer…

Colunista: Alessandro NatalHoje em dia está redundante falar da importância da liderança para a sustentabilidade do negócio.  Em todos os lugares se fala muito de liderança e se toda essa falácia fosse convertida em ações certamente boa parte dos problemas estaria resolvido.
Convocada, nossa equipe chega para as reuniões de avaliação e mostra que a liderança deveria prever os impactos negativos decorrentes da falta de harmonização entre os setores. Ao apontamos as etapas falhas dos procedimentos, é comum ouvirmos que estamos sendo acacianos: “É óbvio que tudo está interligado, e todos sabem disso”, enfatiza.
Ok. Para ele pode ser óbvio e o pessoal pode até estar informado sobre como deveria funcionar o todo. Mas informação não é atitude e muito menos comportamento. Se os detalhes necessários para essa harmonização não forem incorporados à conduta diária, gerando uma postura ativa diante dos fatos, uma nova maneira de agir, favorável ao trabalho coletivo, nada feito.
As falhas continuarão se repetindo cada vez em dimensão maior. Mas por que isso acontece? Porque as questões básicas, fundamentais, estão apenas no plano das ideias. Na prática, as conexões internas não se alinharam.
As lideranças dificilmente costumam aceitar que sua equipe pode não estar preparada para entender aquela rotina que ele considera óbvia ou uma nova forma de atuação. Isso normalmente acontece exatamente porque não detalhou a estrutura, a função de cada um e o protocolo de cada atividade.
Cada colaborador precisa saber com clareza seu papel, mas não sabe, e quando souber, terá diante de si um sistema completo e transparente.
Com a ação do profissional no dia a dia, esse sistema certamente será ajustado e, assim, vai mantendo o desenvolvimento sustentável do negócio.
 
Alessandro Natal
www.unicgestaoenegocios.com.br

Estamos preparados para a batalha da concorrência?

Para o jogo que virá

Tudo tem consequência