A diversidade na tecnologia

O mundo mudou! Entramos numa nova era, de tecnologia, cheia de inovação e novidades. Mas infelizmente continuamos nos deparando com questões relacionadas a discriminações, seja em relação a raça, credo ou, tão simplesmente, diferenças entre homens e mulheres.

O nosso presente é construído com base na experiência do passado, pensando no futuro que pretendemos construir. A humanidade já tem uma história que deveria proporcionar maturidade suficiente para entender que não existem diferenças que justifiquem tratamentos diferentes para o ser humano.

Todo ano, sempre que passamos alguma data comemorativa, nos lembramos da importância de nos integrarmos esquecendo as “diferenças”. Mas passando essa data, tudo volta ao mesmo ponto e as histórias reais de intolerância e diferenças são retomadas. 

Provavelmente muitos de nós já sentimos algum tipo de discriminação. Precisamos ter sempre em mente que, o que eu não sinto como sendo discriminação, outra pessoa pode sentir como tal. Isso significa que precisamos constantemente exercitar a empatia para entender o que pode ser ofensivo ou não.

Uma das diferenças mais latentes e discutidas em diversos fóruns são as oportunidades de carreira e trabalho geradas para homens e mulheres. Especificamente no mundo de tecnologia, estas diferenças são bem evidentes. Algumas empresas estão atentas a este fato e buscam implementar diversos programas para aproximar a quantidade de homens e mulheres, principalmente nos níveis hierárquicos mais seniores.

Infelizmente algumas dessas empresas estão ajustando as suas pirâmides de um modo forçado, promovendo os profissionais levando em conta se são homens ou mulheres, independentemente de sua competência ou perfil da pessoa para a atividade em causa. No médio prazo, essa estratégia não é sustentável por gerar uma pressão no ser humano.

Mesmo num mundo onde os homens começam a assumir algumas das atividades tradicionalmente executadas por mulheres, elas sofrem discriminação e maior dificuldade de acesso pois recebem o rótulo de que precisam concentrar a sua energia em, por exemplo, serem mães.

Mas como essa realidade pode mudar?

Como podemos utilizar a tecnologia e inovação a favor da aproximação das diferenças?

Com o advento dos negócios digitais e evolução da tecnologia, existe a necessidade urgente de profissionais para trabalhar com temas como design, experiência do usuário e ciência de dados. Do ponto de vista de tecnologia, diversas frentes estão transformando o mundo, como a inteligência artificial, onde são necessárias habilidades bem diferentes do tradicional desenvolvimento de software.  Se pensarmos em termos de metodologias, novos métodos tais como Scrum, Design Thinking e Lean necessitam de mais colaboração, empatia e flexibilidade.

Todas estas novidades relacionadas com a nova era, demandam dos profissionais mais resiliência, sensibilidade, gentileza, altruísmo, paixão e energia, características básicas da grande maioria das mulheres, não naturalmente, mas devido à socialização e educação às quais elas foram submetidas.

É o momento de dizermos: sejam muito bem-vindas à inovação na tecnologia, mulheres! Vocês têm muito a contribuir com o novo mundo.

*Carlos Baptista é CEO da A & B Consultoria e Desenvolvimento Humano, empresa que desenvolveu o “Modelo Ágil Comportamental”. Executivo de TI, com mais de 30 anos de experiência em tecnologia. Trabalhou na área de serviços financeiros para bancos comerciais em Portugal e Brasil. Apaixonado por inovação e ajudar no desenvolvimento das pessoas, compartilhando as experiências e aprendizados da sua vida de executivo em grandes organizações. Contato: carlos.baptista@andradebarros.com.br

Quarentena do Coronavírus – Dicas para pais e mães com…

Dupla jornada das mulheres: home office, casa e filhos em…

8 dicas para manter a saúde mental em tempos de…