De empreendedor a empregado novamente: como voltar a buscar emprego

Autor: Camila Martins

Segundo o estudo Sobrevivência das Empresas no Brasil, divulgado em 2016 pelo SEBRAE, cerca de um terço dos negócios no Brasil fecham em até 2 anos e os principais afetados por esses números são as pequenas empresas. E se colocamos essa informação junto ao fato de que quase metade dos empreendedores do Brasil são empreendedores por necessidade, temos um cenário formado por profissionais que enxergaram no empreender uma solução para fugir do desemprego ou para aumentar a renda familiar, mas que, agora, voltam ao desemprego e à busca por uma oportunidade no mercado de trabalho.

Enfrentar novamente um problema do qual tentou fugir, mas com o plus da frustração e da baixa auto-estima, além de um caminho doloroso, também pode ser obscuro para muitos desses profissionais.

A carteira de trabalho sem registro por um longo período; a dificuldades de colocar no currículo suas experiências como empreendedor; o medo de mostrar ao mercado seu insucesso enquanto empreendedor, mesmo que essa não seja a realidade; uma possível desatualização profissional, o medo de não conseguir se adaptar a um cargo subordinado novamente. Esses são alguns dos fatores que podem trazer insegurança ao antigo empreendedor e tornar sua recolocação ainda mais difícil.

O que é preciso ter em mente nesse processo é que toda experiência gera aprendizados e esses aprendizados podem, sim, ser levados como pontos positivos para os processos seletivos que você participará, tudo dependerá da forma como você explanará essas vivências para o mercado.

 

Definir seu objetivo profissional é o primeiro passo dessa jornada

Antes de falar sobre as formas como você deve “se vender” para conquistar seu próximo emprego, é preciso definir que “produto” você deseja ser. Aqui você tem dois caminhos: trilhar uma carreira do zero, iniciando em uma nova área de estudos, ou o mais viável e talvez mais rápido: aproveitar a bagagem que você já tem.

O mais indicado é definir seu objetivo mantendo o nível hierárquico anterior, dessa forma suas chances de recolocação são mais realistas. Se você era um gerente administrativo que encontrou uma oportunidade para investir seu tempo, dinheiro e habilidades na área administrativa, o ideal é que você volte para o mercado buscando oportunidades como gerente administrativo. Se você era um vendedor técnico que ficou um longo período buscando recolocação e resolveu aplicar seu dinheiro e suas habilidades como vendedor abrindo um comércio, por exemplo, o ideal é que você busque oportunidades como vendedor.

 

Definido o objetivo profissional, é hora de construir seu currículo pautado nesse objetivo

O currículo não é o lugar mais indicado para citar sua trajetória como empreendedor, portanto, nada de incluir “sócio proprietário”, “sócio diretor”, “proprietário” ou algo do gênero no campo Cargo. Você passou um período sem registro em carteira, portanto, tem um pouco mais de flexibilidade para falar do último cargo ocupado. Cite apenas o nome da empresa e o cargo, alinhado ao objetivo que você definiu.

Se o objetivo definido foi Gerente Administrativo, sua experiência deve ser descrita como Gerente Administrativo, explorando todas as tarefas que executava nesse cargo e que possam ser relevantes para a vaga a qual você está se candidatando.

Os outros campos do currículo podem ser preenchidos normalmente: informações pessoais, objetivo, resumo de qualificações, informações educacionais e informações adicionais. Veja mais dicas no texto Como ter um bom currículo.

 

Definindo sua pretensão salarial

Possivelmente, sua renda como empreendedor era maior que sua renda como empregado e isso será questionado na entrevista na emprego. Nesse momento, o ideal é deixar claro que você tem um novo planejamento financeiro e que esse não é um ponto de preocupação para você.

Para não errar na hora de falar sua pretensão salarial nem ir com expectativas altas demais, você pode usar, gratuitamente, o Guia de Profissões da Catho para pesquisar sobre a média salarial do seu cargo e pautar sua pretensão nela.

 

A hora da entrevista

Esse é o momento para falar sobre sua vivência enquanto empreendedor, mas claro, somente se o recrutador fizer muitos questionamentos sobre a empresa. Nessa situação, o ideal é contar a verdade: fale sobre sua atuação, sempre enaltecendo suas conquistas e resultados com a empresa e trazendo os aprendizados que obteve durante o período empreendendo. Mentir que foi uma experiência numa empresa de outra pessoa não é o melhor caminho, já que você teria que criar toda uma história para embasar essa mentira caso o recrutador continue fazendo perguntas.

Durante a entrevista, você vai perceber que o selecionador cria um clima amistoso e faz você se sentir à vontade. Bom, essa é uma estratégia para que você se solte mais e acabe falando algo que possa te comprometer no processo seletivo. E essa resposta comprometedora pode vir quando ele questionar qual o motivo do fechamento da empresa. Evite falar em fracassos pessoais, falta de habilidades ou em colocar a culpa no seu sócio, por exemplo. Uma saída é estudar o mercado no qual você atuava e explorar esse ponto. Se você tinha uma empresa na área de serviços, por exemplo, você pode justificar o fechamento da empresa com o fato desse setor ter sido o mais atingido pela recessão econômica e, somando isso, ao aumento de impostos que houve na sua cidade, foi difícil manter o negócio e você acabou optando por fechá-lo e voltar ao mercado de trabalho.

Lembre-se: sempre que for preciso falar sobre seus insucessos ou seus pontos a desenvolver, seja breve e cite os aprendizados que tirou das situações, dessa forma, mais do que falar que errou, você mostra que é capaz de aprender com seus erros.

Outro questionamento que poderá ser feito na entrevista de emprego é se você se adaptará novamente à disciplina que as empresas exigem dos seus funcionários: horários, ordens, voltar a ser subordinado – já que você era seu próprio chefe. A melhor resposta aqui é contar que você tinha uma rotina preestabelecida, que trabalhava em horário comercial junto com seus funcionários, e, se você tinha um sócio, também pode falar que tomava decisões junto a ele e que não terá dificuldades em ser subordinado novamente.

A entrevista é, talvez, o momento mais tenso e decisor de um processo seletivo, por isso, treinar é o melhor caminho. Além das perguntas que falamos até aqui, estude também sobre as perguntas mais comuns nas entrevistas de emprego e tenha as respostas prontas para não ser pego de surpresa e acabar perdendo uma oportunidade.

 

Mantenha-se atualizado

Se você está há algum tempo longe do mercado, é importante deixar claro para os recrutadores que esse não foi um tempo perdido e que você está em pé de igualdade com os outros candidatos no quesito atualização.

Cursos pagos e presenciais não são a única solução quando falamos em atualização profissional, se essa não for uma possibilidade nesse momento. Além de existirem cursos gratuitos online – e presenciais, dependendo da sua região – você pode manter-se atualizado sobre sua área profissional lendo portais e blogs da área, acompanhando as tendências e o que cases de sucesso.

 

Ative sua rede de contatos

Provavelmente você tinha uma extensa lista de contatos quando tocava seu negócio: fornecedores, parceiros, clientes. Todos eles podem ter algo a oferecer, desde uma oportunidade com seu perfil até um outro contato para quem ele possa te indicar. Mantenha relacionamento com eles, conte sobre seu novo desafio, mas sem forçar nada. O segredo do networking é ser natural, por isso ter bom relacionamento com sua rede de contatos antes mesmo de precisar dela é essencial.

 

De empreendedor a empregado novamente: pronto para voltar para o mercado de trabalho com tudo?

No trabalho, OUVIR pode ser mais importante do que FALAR

21 Dicas para atrair o emprego desejado

Home Office: vilão ou solução?