Meu colega de trabalho cometeu um crime

O goleiro Bruno… você, com certeza, ouviu ou leu algo sobre ele esta semana, e a notícia ainda rende boas reflexões. Após ser condenado em primeira instância a 22 anos de prisão, os advogados do goleiro conseguiram um habeas corpus para que ele recorra a decisão em liberdade e, após sete anos preso, Bruno foi solto.

Para quem não lembra, Bruno foi condenado pelo assassinato da sua ex-namorada, a modelo Eliza Samudio. O corpo da modelo nunca foi encontrado e ainda existem diversas polêmicas que envolvem o caso. Agora, fora da prisão Bruno retorna ao mercado de trabalho e já está no futebol profissional, em um time mineiro.

Como lidar com pessoas que saíram da prisão e voltam ao mercado de trabalho?  O que você faria se seu colega de trabalho tivesse cometido um crime? Não há dúvidas que as pessoas que pagam pelos seus crimes merecem e devem ser ressocializadas. No entanto, o caso do goleiro gera um pouco mais de polêmica, pois ele ainda aguarda para responder ao seu processo.

Mas, e aí? Qual comportamento deve sobressair em uma situação dessas? Dar chances para a pessoa ou o melhor mesmo é evitar ao máximo o contato?

 

3 fatores que atrapalham profissionais maduros a voltarem ao mercado…

Barreiras da inclusão no mercado de trabalho

Como conseguir emprego sem experiência?