Mulheres com câncer de mama e o mercado de trabalho

Metade das pacientes com câncer de mama abandonam o trabalho após descobrirem a doença. Saiba mais sobre a presença dessas mulheres no mercado de trabalho.

A descoberta de um câncer de mama normalmente traz um grande impacto, tanto na vida pessoal, quanto profissional das pacientes. Muitas mulheres até tentam conciliar o tratamento com a carreira, mas por se tratar de uma rotina pesada de exames e consultas, grande parte acaba abandonando o mercado de trabalho e decidem se dedicar apenas ao tratamento.

Um recente estudo feito pela oncologista Luciana Landeiro, da equipe do Núcleo de Oncologia da Bahia (NOB) / Grupo Oncoclínicas, mostrou que mulheres com diagnóstico de câncer de mama, mesmo as que já enfrentaram a doença, têm menos chances nas empresas. Um dos maiores motivos para a desistência do emprego é a falta de ajustes no local de trabalho. Esses ajustes são necessários para que as pacientes possam lidar melhor com os efeitos adversos do tratamento ou ter mais tempo para a realização dos exames e consultas. A ausência desses cuidados é o principal fator para o abandono de seus empregos. Apenas 29,1% das mulheres relataram ter sido oferecido algum tipo d e ajuste no trabalho.

 As mulheres que receberam ajustes na função por parte de seus empregadores, tiveram 37 vezes mais chances de retornar ao trabalho

disse a pesquisadora.

De acordo com o INCA, cerca de 60 mil mulheres são diagnosticadas com câncer anualmente. Com isso, cabe as empresas se preocuparem mais com os meios de incentivar o retorno dessas pacientes ao ambiente de trabalho. Por se tratar de um momento muito delicado na vida das mulheres, com toda essa rotina rígida de consultas ao longo dos meses, sessões de quimioterapia, radioterapia e cirurgias, além de sintomas desagradáveis, ter algum tipo de acolhimento por parte da empresa, possuírem esse espaço para se ocupar e se distrair de toda pressão, as afeta de uma forma muito positiva, as faz se sentirem menos ansiosas e mais seguras no retorno ao trabalho.

Janeiro Branco: dicas para saúde mental nas empresas