Fórum sobre Saúde Corporativa

Pensar na saúde física e mental dos colaboradores é uma preocupação relativamente recente introduzida nas corporações. O CPH Health, empresa que desenvolve produtos e coordena programas corporativos de gestão de saúde em todo território nacional, promoveu um encontro mostrando os pontos relevantes e as tendências na área de saúde corporativa no cenário atual.”A saúde do colaborador deixou de ser um discurso para todos entenderem que precisam praticar como um ativo, realmente, das corporações”, afirma Luiz Monteiro, presidente da E-Pharma. De acordo com Monteiro, uma população saudável produz mais e as empresas que investem nisso têm se dado melhor no mercado. “Os indivíduos passam boa parte de suas vidas dentro das corporações, então fazer um ambiente saudável é a primeira coisa: um ambiente acolhedor, descontraído, e que ele possa realmente praticar e se sentir partícipe da sociedade e se sentir crescendo na vida pessoal”, completa.Atualmente, cada vez mais empresas vêm se preocupando com o tema “saúde corporativa”. O Fórum CPH 2009 reuniu renomados profissionais nesse assunto. “Se a empresas puder investir (em saúde coporativa), que é o grande caminho, saúde como benefício, mas também com saúde como estratégia dentro de uma organização”, diz Dr. Michel Daud, da operadora Vivo.Segundo ele, a empresa pode fidelizar e reter seus colaboradores baseado em diferenciais, dentro da decisão de um grande talento em qualquer organização. “Precisa haver conscientização do benefício saúde dentro das organizações, dentro do aspecto da qualidade da assistência médica, que pode reverter diretamente para a organização, como também para estabelecer seus próprios indicadores que possa justificar esses resultados”, opina.A saúde corporativa não é apenas obrigação das organizações. Um grande desafio das empresas é conscientizar seus colaboradores da importância de se obter um equilíbrio entre a vida pessoal e profissional no âmbito da saúde. “Boa parte das empresas já mantém esse ambiente saudável, mas é necessário também investir no campo pessoal”, observa Monteiro. Para ele, não adianta o indivíduo ter essa condição, se também tem um problema de saúde na família, não conseguindo produzir. “As empresas estão entendendo a sua necessidade de dar um passo a mais, inclusiva de buscar um repasse também para a vida pessoal”, finaliza.Dr. Michel Daud acredita que as empresas têm condições de propiciar momentos importantes e definidos para que essa pessoa se equilibre no aspecto profissional, levando para casa uma oportunidade desse equilíbrio pessoal.

Pratique a positividade para atrair boas energias neste ano

Quais profissões estarão em alta em 2018?

A Remuneração e a Comunicação