Você sabe a diferença entre um workaholic e um profissional de alto desempenho?

Para aumentar seus resultados e sucesso profissional, inevitavelmente, você precisará trabalhar duro. Porém, isso não significa trabalhar muito, mas, sim, de forma inteligente, com grande produtividade, aprendendo novas metodologias e, principalmente, novos comportamentos.

De qualquer forma, superficialmente, é fácil confundir alguém de alto desempenho com um workaholic. Afinal, ambos podem trabalhar bastante, ter alto comprometimento e levar trabalho para casa, mas existem características clássicas que os diferenciam e os tornam profissionais tão distantes.

Workaholics precisam de validação e profissionais de alto desempenho conhecem o seu valor

Workaholics acreditam que o seu desempenho está relacionado diretamente a sua capacidade de consumir tempo em atividades profissionais. Eles não sabem como agregar valor e nem quais são as atividades mais importantes, preferindo atuar na maior quantidade de demandas possíveis. Como os seus resultados podem não ser tão expressivos, é comum aos workaholics a busca constante por validação sobre as suas decisões e ações, além de se venderem mais do que o necessário.

Por outro lado, profissionais de alto desempenho conhecem o seu valor, sabem o que precisam fazer para melhorar os resultados da empresa e tem grande clareza das suas prioridades. Tendem a ser mais discretos e, em um ambiente profissional de baixa maturidade, podem ter as suas ações questionadas porque nunca estão envolvidos com assuntos críticos. Afinal, geralmente resolvem os riscos antes que apareçam.

Workaholics desperdiçam energia e profissionais de alto desempenho equilibram as suas rotinas

Lembre-se que alto desempenho não está diretamente relacionado ao consumo de 100% do seu tempo e alguns profissionais sabem disso. Top performers atuam em ritmos alternados de alta intensidade (quando existe uma demanda que realmente necessita de maior envolvimento) e momentos de estabilidade. Este funcionamento se parece com maratonistas que sabem quando devem diminuir o ritmo para concluir a corrida sem maiores problemas.

workaholics se sentem incomodados se não entregarem o seu máximo todos os dias. Na cabeça deles, o desempenho está associado a quantidade de horas extras realizadas. Todos, em algum momento da jornada profissional, caem nesta armadilha, sentindo insegurança e inadequação quando não estão atolados de demandas. Portanto, fique atento! Dedique energia onde realmente é necessário e evite um possível burnout.

Workaholics não sabem dizer não e profissionais de alto desempenho protegem suas prioridades.

Quer identificar um workaholic? Basta ver como ele responde às demandas da sua equipe. Eles agem como super heróis, tentando resolver todos os problemas, invadindo demandas que não estão relacionadas com as suas responsabilidades e enfiando os pés pelas mãos para mostrar o quão bons eles realmente são. Se por um lado isso pode ser “bem visto” por alguns líderes, no geral, este comportamento é muito nocivo para toda a empresa.

Já profissionais de alto desempenho tem uma clareza impressionante sobre o que são as prioridades para os seus papéis e para a empresa. Desta forma, sempre se colocam em primeiro lugar e não se sentem incomodados em negar pedidos de ajuda. O nível de confiança deste tipo de profissional é tão alto que ele sabe que negar um apoio pontual será o melhor para a empresa no médio e longo prazo.

Workaholics priorizam o trabalho e profissionais de alto desempenho respeitam as diferentes áreas de sua vida.

Acredito que você, em algum momento, já tenha sentido dificuldade de dar atenção a todas as diferentes áreas de sua vida. Atender aos prazos e pressão do trabalho, juntamente com aniversários de família e as demandas dos filhos pode ser uma tarefa altamente complexa. Mesmo assim, profissionais de alto desempenho encaram este desafio e buscam este equilíbrio sem se deixar abater.

Workaholics buscam o caminho mais fácil. Em uma grande demanda de trabalho, simplesmente priorizam as suas demandas profissionais.  Workaholics costumam utilizar frases para justificar a sua incapacidade de lidar com a alta complexidade da vida: “Mas meu trabalho precisa de mim”, “Se eu não fizer, ninguém fará”, “É só por mais um final de semana”, etc.

Aprender a respeitar os diferentes momentos de sua vida permitirá com que mente e corpo respondam com maior eficiência às dificuldades e adversidades as quais somos submetidos. O trabalho é apenas uma engrenagem de um grande e complexo maquinário que é a vida. Manter toda a máquina funcionando é o caminho. Você, a sua família e os seus amigos agradecerão por isso.

_

Sobre o autor
Allan Lopes é  Coaching Sistêmico, membro da Internacional Coach Federation, Master Practitioner em PNL e especialista em gestão de performance e em processos de mentoring e coaching aplicados ao ambiente corporativo. Sócio da Soar Desenvolvimento Humano e responsável pela área de Consultoria em Recursos Humanos.

Podcast da Catho para profissionais encararem o mercado de trabalho

15 respostas que os recrutadores não gostam de ouvir na…

Marketing e vendas: cargos em alta em 2020