Ambição e Ética

Carlos HilsdorfAmbição e ética são perfeitamente compatíveis!

Estranhar esta frase possui duas razões: o preconceito em rotular ambição como algo  negativo e, também, a confusão entre ambição e ganância, que, por sua vez, reforça o preconceito.

É bastante frequente ouvirmos alguém dizer: “Cuidado com fulano, ele é muito ambicioso”; ou, “Não gosto de tratar com pessoas ambiciosas, elas não têm limites”.

Se você ainda pensa desta forma, está cometendo um grande equívoco que prejudica a vida e os negócios. Está esquecendo tudo o que foi construído com base em ambições legítimas e bem direcionadas: todas as conquistas, descobertas e invenções que se originaram no objetivo de vencer limites e estabelecer novos e melhores paradigmas.

Pessoas ambiciosas buscam se superar continuamente – e isso é bom – desde que suas metas sejam éticas. Devemos lembrar que o processo de inovação é essencialmente realizado por profissionais ambiciosos que buscam incessantemente o novo.

Confundir ambição com ganância é a causa de muitas pessoas matarem suas reais possibilidades diante das oportunidades e desafios da vida em seus aspectos pessoais e profissionais.  A ambição associada à ética é saudável.

Porém, um ambicioso sem ética se torna facilmente um ganancioso. Pessoas que se valem de quaisquer recursos para obter o que desejam, doa a quem doer e custe o que custar, não são ambiciosas, são gananciosas.

Para compreender que ambição e ética são perfeitamente compatíveis, basta deixar clara a diferença entre ambição e ganância e as repercussões de cada uma delas.

Derivada do latim, a expressão que deu origem à palavra ambição tratava da ação de cercar por todos os lados as possibilidades de alcançar elevada condição, um forte desejo de alcançar um objetivo.

Para nossa reflexão, o conceito de ambição será entendido como: “Atitude ética orientada para realizar e atingir metas e objetivos altamente significativos”.

Agora vejamos o conceito de ganância. A origem latina da palavra remete ao uso da palavra como fruto de agiotagem, usura (empréstimo de dinheiro a juros altos).

Para nossa reflexão, o conceito de ganância será entendido como: “Atitude amoral e egoísta, orientada para a obtenção de vantagem abusiva e antiética”.

É possível ser ambicioso sem prejudicar ninguém, mas, todo ganancioso termina lesando alguém. As metas do ganancioso são individualistas e usurárias.

As vantagens e repercussões da ambição, entendidas dentro do contexto que propusemos acima, são:

1.    Direciona as atitudes para a realização de metas ousadas e significativas.
2.    Predispõe a pessoa à busca por conquistas sucessivas e contínuas na direção de uma meta maior.
3.    Motiva a pessoa, porque metas de valor são perseguidas por pessoas de valor, pessoas que mantém auto-estima elevada.
4.    Valoriza a vida e suas oportunidades mais dignas, propõe uma visão de carreira.
5.    Seus efeitos beneficiam não apenas a pessoa movida pela ambição, mas trazem também, direta ou indiretamente, conseqüências benéficas para um grupo muito maior de pessoas (aqui percebemos claramente a ética em sua tradução mais nobre).
6.    Pessoas ambiciosas se associam a outras pessoas ousadas com metas significativas, colecionam amigos proativos e realizadores.
7.    Ambiciosos são frequentemente convidados para novos projetos e para assumir cargos mais altos na hierarquia.

As desvantagens e repercussões da ganância, conforme definida, são:

1.    Mantém a pessoa presa no egoísmo profundo, buscando metas puramente individualistas.
2.    A ganância é irmã do egoísmo e direciona a mente ao apetite amoral, à disposição a ganhar a qualquer custo.
3.    Caracteriza pessoas  de baixa auto-estima que tentam se auto-afirmar vencendo por quaisquer meios as disputas com outras pessoas, não se importando com o que aconteça com elas.
4.    Gera um comportamento oportunista, ou seja, condiciona a uma utilização ilícita das oportunidades menos dignas, conduz ao carreirismo (atitude de quem utiliza métodos moralmente condenáveis para subir rapidamente na carreira).
5.    Seus efeitos prejudicam não apenas a pessoa movida pela ganância (que a longo prazo sempre paga um preço alto por sua ganância, sendo a solidão e a exclusão do convívio das pessoas éticas, o mais comum). Traz também conseqüências maléficas para um grupo muito maior de pessoas (aqui percebemos claramente a total ausência de ética).
6.    Gananciosos colecionam inimigos. Pessoas gananciosas associam-se a outras pessoas  gananciosas. Quando vários egoístas se reúnem, manipulam uns aos outros para obter o que querem e, uma vez conseguido o objetivo, abandonam a “vítima”.
7.    Gananciosos são rejeitados em novos projetos ou usados por outros mais gananciosos que eles para servirem de trampolim. Frequentemente ficam estagnados em suas posições de trabalho por falta de apoio e aceitação da equipe que os vê como antiéticos e individualistas – características contrárias ao que as empresas buscam na atualidade.

Podemos afirmar que tudo o que se fez de grandioso no mundo se fez movido por uma ambição legítima e, tudo o que de pior aconteceu na história ocorreu e ocorre motivado pela ganância!

Ambição e ética são perfeitamente compatíveis. Com elas construímos um mundo melhor! Aos que preferirem apostar na ganância, recomendo a seguinte reflexão: Pessoas gananciosas, dotadas de talento e competência, são equivalentes a uma Ferrari sem freios. Imagine as conseqüências!

 

Por Carlos Hilsdorf economista, pós-graduado em marketing pela FGV, consultor e pesquisador do comportamento humano. Considerado um dos melhores palestrantes do Brasil na atualidade. Palestrante do Congresso Mundial de Administração (Alemanha) e do Fórum Internacional de Administração (México). Autor do best seller Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero, e do sucesso 51 Atitudes Essenciais para Vencer na Vida e na Carreira. Referência nacional em desenvolvimento humano.

Site: www.carloshilsdorf.com.brTwitter: www.twitter.com/carloshilsdorf

Postura do chefe: favoritismo e indecisão são maiores insatisfações, diz…

Aproveite o feriado para pensar em sua carreira

5 dicas para o trabalho temporário virar efetivo