Liderança positiva

Por Marcelo Pinto

Uma vez identificadas todas as oportunidades de descontração responsável e produtiva, atentando para o lugar adequado, com as pessoas certas, na hora apropriada e na medida certa, passamos para a próxima fase do Método S.M.I.L.E.:

S = Sorria
M = Mude de Atitude
I = Identifique Oportunidades
L = Lidere Positivamente
E = Envolva e Execute

Como pudemos constatar no passo anterior, existem inúmeras maneiras de se medir o humor dos Colaboradores e até mesmo da empresa, bastando para isso, apenas colocar a criatividade em prática, mas para que tudo isso se concretize e funcione devemos ter total apoio da alta liderança e para isso passamos ao próximo passo do Método S.M.I.L.E.que é o da Liderança Positiva.

No perfil de um líder bem sucedido o senso de humor é com certeza uma característica marcante e importante, pois ele revela sensibilidade, segurança pessoal, alto astral, otimismo, confiança, domínio da situação, habilidade em comunicação e relacionamento interpessoal, aliviando tensões e prevenido conflitos e problemas. Uma piada ou anedota desde que relevante e colocada dentro do contexto e aplicada no momento certo, relaxa e cria condições de harmonização da equipe. Um ambiente alegre é, certamente, um ambiente produtivo.

O líder mal-humorado, negativo e pessimista passa a imagem de uma pessoa derrotada que não está no lugar certo e não é uma boa companhia para seus pares. O grande problema é que esse pessimismo torna-se mais perigoso, quanto mais inteligente e “culto” for o tal “líder”, pois terá grande influência sobre os demais e principalmente sobre sua equipe, uma vez que, sempre destaca o lado da infelicidade, diante de um novo problema.

Em 2004, Tom Peters já afirmava em seu livro Re-Imagine que:“As pessoas (LÍDERES) que se sentem bem consigo mesmas também RIEM muito. Essa é a minha experiência. Assim, aqui estão duas de minhas regras:

– Nunca trabalhe em um lugar onde RIR seja raro
– Nunca trabalhe para um líder que não RIA

Eu particularmente acho muito radical esta posição. Por isso prefiro as palavras de Max Gehringer, proferidas em 2002 na edição nº 53 da revista Você S/A com o título “Rir é o Melhor Negócio”:

“O clima vem de cima – e não é preciso ser um humorista para criar um ambiente de bom humor. O Norberto(que era um diretor colega dele) não era, apenas entendeu que, bem humorados, seus funcionários poderiam gerar resultados muito acima do esperado.”

Não que eu defenda que o líder deva ser um palhaço, apesar de que várias técnicas deste respeitável profissional sejam muito úteis no ambiente corporativo, e defendo também que ele não precisa ser um piadista, comediante e nem humorista, só precisa ter a consciência e sensibilidade de que o humor entre a sua equipe é muito bem vindo e importante para a sua motivação, produtividade e melhoria dos resultados.

Nas empresas,muito do que causa estresse e consequentemente mau humor está nas mãos da liderança, a saber:

– Longas jornadas de trabalho: segundo informações publicadas no jornal Daily Mail um estudo realizado em 2012 pelo Finnish Institute of Occupational Health sob a liderança de MariannaVirtanen, revelou que as pessoas que trabalharam mais de oito horas por dia tinham uma chance de 40 a 80% maior de doença cardíaca.

– Altos níveis de ruído: está mais do que comprovado pela medicina do trabalho que níveis de ruído acima de 85 decibéis (Decreto 4882/03 – art. 2º), equivalente ao barulho do liquidificador, provocam prejuízo à saúde do trabalhador.

– Calor excessivo: ele influi diretamente no nosso desempenho, fazendo com que o cansaço apareça precocemente, o que acaba com o nosso bom humor, ainda que o corpo se defenda com o suor, que mantem a pele molhada passando a sensação de frescor.

– Metas inatingíveis: quando as metas são impostas e desde o início já sabemos que não serão atingidas, não por demérito do trabalhador, mas for falta de instrumentos e condições proporcionadas pela “liderança”, bem como pela falta de autonomia.

– Despreparo para certas atividades: o que mais chateia e causa mau humor em um Colaborador é delegar-lhe atividades sem o devido preparo. Isso infelizmente ainda é muito frequente nas empresas.

Portanto, você enquanto líder, deve tão somente permitir e incentivar a descontração entre sua equipe e colher os diversos benefícios que serão gerados. Isso é tão importante que deveria ser matéria obrigatória nos cursos de MBA e de Administração. E olha que conteúdo é que não falta!

Agora vamos deixar o estresse de lado e partir para uma parte fundamental do Método S.M.I.L.E. para Gestão do Humor no Ambiente de Trabalho que é o envolvimento, ou também podemos tratar de engajamento dos nossos Colaboradores e finalizarmos com a execução, ou seja, “Colocar em prática” o nosso projeto.

Marcelo Pinto, o Palestrante do Bom Humor e filantropicamente conhecido como Doutor Risadinha, é Advogado Trabalhista e Gestor de RH, estando à frente da MP Assessoria Empresarial. Gelotólogo e Autor dos livros“Sorria, você está sendo curado” (Ed. Gente) e “O Método S.M.I.L.E. para Gestão do Humor no Ambiente de Trabalho” (Ed. Ser Mais). Mantenedor do site palestrantedobomhumor.com.br e do blog Espaço do Riso doutorrisadinha.blogspot.com.

Planeje-se (de verdade!) para alcançar o sucesso em 2020

4 dicas para se dar bem em processos seletivos em…

Como montar um bom currículo?