Quero mudar, mas não sei como

Na área da mudança de comportamento temos ainda uma certa uma ilusão infantil, um paradigma, de que o resultado é imediato, como passe de mágica

Heloísa CapelasMuitas pessoas desejam mudar algo em si. Pode-se querer mudar um comportamento recorrente, ou mudar de profissão, ou mudar de parceiro. No entanto, seja qual for a mudança, quando se veem diante desse desejo, é comum que essas mesmas pessoas sintam-se perdidas, paralisadas, procurando, ou melhor, esperando por uma solução miraculosa.

A questão é que nenhuma mudança é possível sem dedicação e sem prática. E isso serve para tudo na vida. Se você está, por exemplo, planejando mudar de casa, vai ter trabalho pela frente: transporte, mobília adequada para os espaços novos, organização dos cômodos, até que, por fim, precisará de um tempo para se adequar às novidades. Parece um exemplo bobo, mas todo mundo, um dia, passa por uma mudança dessas e até isso exige ‘dedicação e prática’.

Agora, na área emocional ou na área de mudança de comportamento, a gente ainda tem uma certa uma ilusão infantil, um paradigma, de que precisa ser mágico, ou seja, o resultado é imediato.

Isso me lembra aquela historinha que ouvia quando criança sobre o Pedrinho. Um menino que mentia muito e, quando resolveu falar a verdade, ninguém mais acreditou nele. Moral da história: “Pedrinho aprendeu a lição e nunca mais mentiu”. Essa é a maior mentira que já nos contaram! Por quê? Ora, porque nos faz acreditar que, no momento em que entendemos que é importante mudar, pronto!, é como se automaticamente mudássemos. Mas os comportamentos são recorrentes, principalmente aqueles nos quais somos viciados e, em geral, nem nos damos conta.

O treino leva à perfeição

Para mudar comportamentos e gerir emoções passa-se, fundamentalmente, pelo autoconhecimento. É preciso ver o que você quer mudar. Qual a origem desse comportamento? Onde é que o aprendeu? Com quem? E como você se tornou essa pessoa?

Você irá descobrir muito sobre o que não quer e, a partir daí, terá clareza sobre os comportamentos novos que deseja adotar. Daí em diante, é tudo questão de treino. É dedicação para instalar a prática.

Hoje, já sabemos que o treinamento para a mudança é emocional. Via cérebro, nós não mudamos comportamento, mas adquirimos informação. É por isso que somos, em essência, seres humanos com muita informação e pouquíssima consciência. E é pelo autoconhecimento que transformamos a informação em consciência.

Passada essa etapa, não há mágica. Michel Jordan, considerado o maior jogador de basquete de todos os tempos, relatou que errou 9.000 cestas e perdeu quase 300 jogos e ele creditou seu enorme sucesso às falhas e aos fracassos. É que, a cada falha, ele treinou! Treinou acertar. Não desistiu. Perdoou-se a cada erro. E teve sucesso.

Dedicação e prática. E isso começa hoje! Sim, amanhã você vai precisar treinar de novo, mas, não se preocupe, afinal, quando o amanhã chegar ele vai virar ‘hoje’. Por isso, siga investindo todo dia em você.

Heloísa Capelas é expert no desenvolvimento humano por meio do autoconhecimento e da competência emocional. É conferencista, uma das autoras de “Ser Mais Inovador em RH”, Coach, Master Practitioner em PNL e especialista em Psicodinâmica Aplicada aos Negócios. Ministra a metodologia Hoffman no Brasil e é sócio-fundadora do Centro Hoffman. Para falar com a especialista, escreva para heloisa@centrohoffman.com.br. Visite também: www.heloisacapelas.com.br e www.centrohoffman.com.br.

Eu lancei um curso sobre felicidade mesmo em meio à…

Aqui estão quatro aspectos inovadores sobre… Inovação!

Planejar seu tempo aumenta a produtividade