Empreendedorismo marca tarde de palestras na Campus Party

Palestra mostra como estruturar e alavancar StartupsO palco Hypatia, dedicado a assuntos voltados ao empreendedorismo, foi o grande destaque da Campus Party na tarde de hoje. Os novos negócios que vem surgindo no setor de tecnologia, chamados de Startups, foi um dos assuntos que chamou muito a atenção dos campuseiros.

A geração Y, predominante na Campus Party, tem como característica a criatividade e a vontade de ter seu próprio negócio. Para discutir este assunto, Maria Augusta Orofino, mestre em Gestão do Conhecimento, ministrou a palestra “Transforme sua ideia em Modelo de Negócio”. De acordo com ela, as organizações precisam de recursos recorrentes para manterem sua sustentabilidade. “O processo colaborativo e de co-criação é fundamental para o sucesso dos novos negócios”, afirmou Maria.
Ainda no tema Startups, foi a vez das aceleradoras, companhias que atuam no estágio mais inicial dos empreendimentos dando aporte financeiro e consultoria especializada, darem sua visão sobre o assunto. Representantes destas empresas como Marcelo Salles, Carlos Pessoa e Felipe Mattos debateram o cenário do microempreendedorismo na área da tecnologia. “Vejo que a geração Y é mais empreendedora por natureza por ser mais conectada e ter valores de colaboração. As aceleradoras existem para apoiar o processo de criação de negócios, e estão ajudando a modificar a dinâmica do mercado de trabalho”, opina Mattos.

Mobile e Aplicativos

A palestra sobre o desenvolvimento de aplicativos para iOS6 ajudou os campuseiros a descobrirem o máximo das novas possibilidades que o sistema operacional da Apple oferece, com ideias de aplicativos inovadores. Criar interfaces amigáveis, tornando a vida dos usuários mais completa foi o foco do palestrante Rafael Winter, desenvolvedor especialista em dispositivos móveis.
O Mercado Mobile cresce a passos largos no Brasil. Fred Rischter, CEO na Blue Pixel e especialista em desenvolvimento de jogos, apresentou no palco Stadium da Campus Party como estão as mudanças de mercado, das relações entre os consumidores, operadoras, fabricantes e desenvolvedores nos últimos anos. “Daqui 5 ou 10 anos pode ser que não exista mais Android ou iOS. AsSimone Campos fala sobre interação entre jogos e livros mudanças são muito rápidas e radicais neste universo. Não adianta imaginarmos que o que temos hoje é o definitivo”, comentou Rischter.
Após este painel, ocorreu a palestra com Ryotaro Shima, vice presidente da GREE, uma das maiores empresas de mobile social games do mundo. A empresa nipônica foi fundada por Yoshikazu Tanaka – conhecido por muitos como o “Zuckerberg japonês” – em 2004, e foi responsável pelo pioneiro Fishing Star, o social game que revolucionou o mercado. Desde então a GREE já conquistou 169 países, e está chegando agora ao Brasil. Shima explicou aos campuseiros como são desenvolvidos aplicativos de sucesso.

Literatura na Campus Party

Ainda na linha de interfaces e inovação, ocorreu no palco Stadium a palestra de Simone Campos, escritora, tradutora e editora, a qual, estreou na literatura aos 17 anos com o romance “No Shopping”. Depois vieram os livros “A Feia Noite”, a ficção científica online “Penados y Rebeldes” e o livro de contos “Amostragem Complexa”. O livro interativo “OWNED – Um novo jogador”, inspirado na cultura dos videogames, saiu em papel e em meio digital.
“Sempre amei literatura e games, na verdade, nunca vivi sem os dois”, afima a escritora. A tendência explicada por ela, compreendida pelos jogos Assassin’s Creed, Metro 2033 e Battlefield 3, fazem parte de uma lista de games inspirados em livros ou de livros inspirados em games. A conversa ainda questionou a interação entre jogos digitais e as páginas de livros, colocando em pauta até quando essa tendência ira conseguir explorar o conteúdo transmídia.
 

#MáscaraSalva | Máscara Inclusiva para deficientes auditivos

Impactos da pandemia na geração de empregos

5 áreas em alta que estão contratando mesmo na crise