McKinsey apresenta pesquisa no 3ª Fórum Mulheres em Destaque

A 3ª edição do Fórum Mulheres em Destaque esta próxima e com ela novidades sobre a liderança feminina chegam para agregar conhecimento e levantar discussões sobre o papel feminino nos negócios. O fórum acontecerá na próxima semana, nos dias 26 e 27, no prédio da Fecomércio, em São Paulo.

O evento contará com a presença da consultoria McKinsey & Company, que apresentará os resultados da pesquisa “Women Matter: A Latin American Perspective”, a qual afirma que companhias que contam com mulheres no comitê executivo apresentam resultados melhores do que aquelas cujo comitê é composto somente por homens.
Segundo Heloisa Callegaro, consultora principal da McKinsey & Co, os dados foram compilados entre 345 empresas do Brasil, México, Colômbia, Chile, Peru e Argentina, sendo que, a média de retorno sobre o patrimônio líquido das empresas com mulheres no comitê foi, em 2011, 44% superior à daquelas sem a presença feminina no órgão.
“Informações de 247 companhias desses mesmos países indicam que o resultado operacional (EBIT) ficou, em média, 47% acima no caso das empresas cujo comitê tem a participação de mulheres”, explica a consultora.
Estes números são justificados na pesquisa e comprovam que mulheres tendem a apresentar certos comportamentos essenciais à boa performance das empresas com maior frequência do que homens. “De nove dimensões relacionadas ao desempenho das empresas, mulheres em média demonstram seis com mais frequência do que homens, como por exemplo: habilidade de inspirar e motivar, desenvolvimento de pessoas e criação de bom ambiente de trabalho”, conta Heloisa.

Investimento na retenção de talentos femininos

De acordo com Heloisa, a diversidade de gênero tem sido apontada como um dos trunfos das empresas para enfrentar o gargalo de mão de obra qualificada. A pesquisa aponta que contar com mulheres em posições de comando permite que as empresas acessem um banco maior de talentos, agreguem diferentes opiniões e percepções para os debates e colaborem com uma reflexão melhor a respeito do processo de tomada de decisões pelos consumidores. “Por conta dessas razões, algumas companhias têm apostado na diversidade de gênero – mas, na América Latina de forma geral, o número de mulheres em cargo de liderança ainda é muito baixo”, ressalta a consultora.
Ainda segundo a pesquisa, existem três principais iniciativas em que as empresas têm mais investido: flexibilidade de trabalho (condições, horário e/ou localização); programas internos que incentivem o papel do mentor e role modeling; e serviços de suporte e ambientes que ajudem a conciliar família e empresa.

Programação do 3ª Fórum Mulheres em Destaque

O evento foi separado em dois dias, sendo que no primeiro dia haverá renomadas consultorias estratégicas como McKinsey & Co e Bain & Company e empresas como Google, Ticket, Accor, Magazine Luiza, Lojas Renner, Itaipu Binacional, Masisa, Beauty In e instituições acadêmicas como FGV e Insper, que estarão reunidas para discutir o tema de liderança feminina e responder: O que impede as mulheres de atingirem o topo? O que empresas e organizações podem fazer para mudar o atual cenário e aumentar a representatividade de mulheres na liderança?
Já no segundo dia, o evento abordará o aprimoramento profissional de executivas por meio de sessões práticas e dinâmicas sobre temas como: modelos de liderança, comunicação, negociação, gestão de tempo, inovação e networking.

#MáscaraSalva | Máscara Inclusiva para deficientes auditivos

Sem emprego na crise do Coronavírus? 5 passos para voltar…

Impactos da pandemia na geração de empregos