Os desafios da busca de emprego e como a AI pode solucioná-los

Autora: Camila Martins

Se há 10 anos, buscar emprego tinha como principal desafio ter acesso a um número significativo de oportunidades de emprego; hoje, o desafio é encontrar, em meio às milhares de vagas divulgadas na Internet, as oportunidades que são aderentes ao perfil e aos interesses do profissional que busca emprego, afinal, são nelas que esse profissional tem reais chances de ser contratado.

O mesmo vale para o outro lado, para as empresas que buscam novos colaboradores: receber currículos compatíveis com as vagas que elas têm em aberto e, consequentemente, fazer contratações mais assertivas.

Com a chegada das novas tecnologias, também no universo de R&S, a forma como as pessoas buscam emprego mudou, por isso, os desafios que elas enfrentam são outros. E se a tecnologia impulsiona as mudanças, também deve ser ela a responsável por abrir caminhos para que os novos desafios sejam solucionados.

É aqui que entra a Inteligência Artificial aplicada à busca de emprego: para aproximar cada vez mais os candidatos certos às vagas de emprego – ou do ponto de vista de quem busca uma oportunidade: para colocar o candidato cada vez mais perto das vagas nas quais ele tem maior chance de ser convidado para uma entrevista.

A AI, aplicada à busca de vagas, por exemplo, é capaz de aprender os interesses do candidato por meio de suas ações e informações fornecidas, de modo a oferecer um resultado cada vez mais personalizado. Isso significa que quando o usuário se candidata a uma vaga, ou a descarta, o buscador aprende que ele gostou, ou não, daquela oportunidade, melhorando os resultados de buscas subsequentes e trazendo vagas cada vez mais aderentes ao seu perfil e necessidades. O que também quer dizer que quanto mais o usuário utilizar o sistema, mais ele conhecerá o usuário e trabalhará a seu favor.

Bom, é assim que funciona, desde as melhorias feitas em março deste ano, a busca de vagas na Catho.

Com o aprimoramento da Inteligência Artificial do site, o sistema também passou a entender que uma real oportunidade de emprego surge apenas quando ambos os lados têm interesses em comum, cenário que chamamos de matching. Alguns dados e comportamentos utilizados para realizar o matching perfeito são: dados do currículo do candidato; envios de currículo feitos por ele; identificação automática dos termos digitados nos campos do formulário (cidade, conhecimentos, cargo, nome de empresa e área profissional), perfil das vagas procuradas e perfil de candidatos que os recrutadores usualmente contactam em cada tipo de vaga, além de palavras-chave usadas nos anúncios e nos currículos. Daí a importância de um currículo bem elaborado e alinhado ao que os recrutadores buscam.

Assim, com a aplicação da AI na busca de emprego, os profissionais em busca de recolocação passam a enxergar uma maior diversidade de vagas compatíveis com aquilo que procuram e, as empresas, passam a enxergar esses profissionais, gerando muito mais contatos.

Medo de ficar desempregado? Você não está sozinho!

Mesmo com maior grau de escolaridade, mulheres ganham menos que…

Culinária | Gastronomia #ProfissõesCatho