O ótimo é o melhor amigo do bom

Colunista: Carlos RosaA célebre frase de Voltaire “o bom é inimigo do ótimo” é um bom exercício para os sonhos pedidos no fim de ano. Adoramos sonhar, mas na hora de pôr em prática nossas ações, aparece uma desculpa para adiar nossos desejos. Sonhamos no réveillon e desistimos no Carnaval. Talvez este círculo vicioso secular venha da fragilidade com a qual encaramos o planejamento. Projetos estruturais para melhoria das pessoas são adiados por governantes por falta de foco ou interesse político. Projetos pessoais são interrompidos por falta de disciplina na primeira adversidade.
Em 2014, por conta da Copa do Mundo, escutamos nossa líder dizer que obras são para serem adiadas. O resultado foi a morte de dezenas de operários, orçamentos estourados em mais do dobro e entregas atrasadas com qualidade duvidosa. Já tem estádio que o gramado está um lixo. Somos um país que nos contentamos com o bom, desde a escola, pois quem se destaca já é taxado de cdf. Preferimos o 7 ao 10.
É óbvio que o bom é melhor do que o pior e o ótimo do que o ruim. O bom deve ser estímulo para seguir adiante a buscar a melhoria, como acontece com os artistas. A diferença de um pianista de 1º escalão para o de 2º não é o talento e, sim, a dedicação ao treinamento, a busca da perfeição. O melhor sempre busca melhorar enquanto o bom fica inventando fofoca e se vitimando.
Hoje, a velocidade da informação e a multidisciplinaridade das tarefas na maioria das profissões requer produção a qualquer preço. Seja diferente, não vá pela maioria, vá pela sabedoria, dedique-se de coração aos seus sonhos. Estude, avalie, pense, aja e melhore a cada dia. Sinta-se sempre no seu melhor. Não se acomode com o bom, use-o para ser um propulsor para o ótimo. Excelência é uma questão de escolha.
Feliz 2015 para todos, com muita saúde e sucesso contínuo e permanente.

Coragem é amiga inseparável do líder

Conhecimento ou atitude?

Impossível é temporário