4 dicas para ter uma comunicação mais assertiva

Ser um líder admirado e respeitado pelos membros das equipes que comanda é o desejo de 10 entre 10 profissionais em cargos de gestão. O problema é que nem todos conseguem, e muitos falham em um quesito básico, mas muito importante: a comunicação.

O tema tem ganhado cada vez mais espaço em palestras, cursos e revistas especializadas, onde profissionais bem-sucedidos de diversos segmentos compartilham o que fazem para que sua comunicação seja mais efetiva e impacte positivamente a gestão do negócio.

“Encaminhar reuniões, liderar, vender, administrar negociações, dirigir palestras, ser combativo em debates e hábil com públicos hostis. Estas são circunstâncias em que a comunicação é protagonista e cenários rotineiros para os líderes”, explica Reinaldo Passadori, diretor do Instituto Passadori, que há mais de 30 anos oferece treinamentos nas áreas de comunicação, desenvolvimento organizacional e relacionamento com o cliente.

Segundo Passadori, em tempos de supervalorização da competência comunicacional e devido a sua importância, “saber se comunicar dentro de uma organização pode garantir a sobrevivência dos atuais e futuros líderes”. Dessa forma, profissionais com pouca ou nenhuma habilidade comunicativa precisam buscar desenvolvê-las o quanto antes.

Para a consultora e coaching empresarial Vivian Rio Stella, uma maneira eficaz de desenvolver habilidades comunicativas é se inspirar em profissionais bem-sucedidos, “para que sirvam de modelo”. Veja a seguir quatro dicas de boas práticas dadas por ela para aperfeiçoar a comunicação no dia a dia e se tornar um líder de sucesso.

Criar rotinas de comunicação com liderados

Líderes costumam estar próximos de sua equipe e promover um diálogo efetivo entre as pessoas. É importante estar presente e conduzir objetivamente as reuniões, dar feedbacks com frequência, almoçar ou tomar café com a equipe, criar momentos para reconhecer as conquistas ou para realinhar expectativas.

O líder que não é acessível vive com a agenda tomada por outros compromissos “mais importantes” e não mantém um canal aberto ao diálogo, o que acaba por gerar inúmeros problemas de gestão de pessoas, com impacto nos resultados.

Delegar de forma clara

Muitas vezes, pela correria do dia a dia ou o automatismo das atividades, líderes delegam ações sem ao menos tomar cuidado com a forma de se expressar. Depois, quando algo é feito de forma errada, ficam indignados com a falta de atenção, de conhecimento ou de comprometimento do liderado.

Porém, a origem do problema foi justamente a maneira usada pelo líder para delegar a atividade. É preciso evidenciar o objetivo da tarefa, o(s) responsável(is), o prazo, o processo/a norma/o passo a passo. Se o liderado já domina o modo de executar, alinhar expectativas com ele é essencial para a execução correta.

E lembre-se: a depender do contexto, mandar um e-mail ou informar a ação em reunião pode não ser delegar, mas sim transferir responsabilidade – o que é bastante complicado, ainda mais em se tratando de liderança.

Aproveitar a variedade de canais de comunicação

Há empresas em que há excesso de reuniões, de e-mails ou de ambos. Essas formas de comunicação são bastante eficazes se usadas adequadamente. O líder deve se atentar às características dos canais de comunicação e usá-los a favor da gestão e da produtividade.

Estar próximo fisicamente das pessoas e ver a reação delas à sua fala pode ser muito eficaz quando o assunto é mais delicado ou polêmico, mas pode ser perda de tempo quando o tema é corriqueiro e as pessoas o receberão com naturalidade. Ter tato para lidar com os diferentes canais de comunicação é essencial para qualquer líder atuar e ser referência para seus liderados.

Comunicar-se com objetividade

Concisão e clareza são qualidades da comunicação altamente valorizadas. É fundamental definir o foco e falar tópicos relevantes aos interlocutores. Exagerar em detalhes, ser técnico demais ou genérico em excesso são falhas comuns que devem ser evitadas pelo bem da comunicação e do exercício da liderança

No trabalho, OUVIR pode ser mais importante do que FALAR

21 Dicas para atrair o emprego desejado

Home Office: vilão ou solução?