Como fazer seu primeiro currículo (mesmo sem experiência)

 

Fazer o primeiro currículo atormenta a cabeça de muitos jovens que buscam ingressar no mercado de trabalho. Isto acontece já que quase 100% dos processos seletivos exigem a entrega do currículo para análise e o candidato, ainda, não sabe como descrever o seu perfil, principalmente, por não ter tido nenhuma experiência profissional até o momento.

Existe um pensamento paradoxal muito comum e presente na sociedade que impacta negativamente a forma como os jovens encaram o processo seletivo: “As empresas só contratam profissionais com experiência, mas é necessário ser contratado para ter experiência”. Pensando assim, é óbvio ver apenas as dificuldades. Como conseguir um emprego nestas condições? Como ser contratado caso não possua experiência?

Porém, a realidade não é bem assim. Existem empresas que oferecem oportunidades para estagiários, trainees ou, até mesmo, para outras funções que não exigem experiência. Isso é mais comum do que se imagina. Afinal, muitas preferem contratar profissionais inexperientes por não possuírem vícios. Ainda mais aquelas que possuem processos eficientes para formar tecnicamente os seus colaboradores.

 

Cuidado com os dados pessoais no currículo

Portanto, o que precisa fazer é apenas descrever seu currículo adequadamente. O primeiro passo é informar os seus dados pessoais (nome completo, telefones, e-mail, endereço, idade e estado civil) com muita atenção para evitar que qualquer erro impeça o recrutador de entrar em contato com você. Parece uma orientação banal, mas ainda recebo, frequentemente, currículos com telefones ou e-mails inexistentes.

Se necessário, informe telefones para recado e o responsável pela linha telefônica. Lembre-se: o recrutador tem que conseguir falar com você de qualquer forma. Mesmo com celulares é comum encontrarmos dificuldade de conversar com os candidatos.

 

Priorize as suas formações acadêmicas e outros treinamentos

O segundo passo é focar nas formações acadêmicas e nos cursos realizados. Cursos técnicos, de idiomas e outras especializações demonstram as suas áreas de interesse e permitem ao recrutador entender melhor o seu perfil. Nesta situação, as instituições que você se formou podem ser um diferencial, principalmente se forem nacionalmente reconhecidas.

Trabalhos e projetos acadêmicos também podem ser explorados no currículo. A participação e o envolvimento em projetos de iniciação científica, congressos ou competições acadêmicas são ótimas oportunidades de demonstrar que você sabe trabalhar em grupo, possui um pensamento inovador ou que gosta de competir. Todas essas competências podem ser exatamente o que o recrutador procura.

 

Descreva as suas experiências, mesmo não tendo trabalhado formalmente

O passo final é descrever as suas experiências. Como você pode não possuir nenhuma experiência profissional formal, você pode (ou melhor, deve) apresentar experiências informais como um trabalho freelancer ou voluntário. Um intercâmbio ou a vivência fora do país podem ser utilizadas. Para profissionais em início de carreira, isto é aconselhável, diferentemente de profissionais com alguma experiência.

Assim, o recrutador  poderá entender quais as habilidades que você possui, o que valoriza em sua vida e quais os modelos de trabalho com os quais você mais se identifica. Todas essas informações podem mostrar o quão preparado você está para assumir a vaga.

 

_

Sobre o autor
Allan Lopes é  Coaching Sistêmico, membro da Internacional Coach Federation, Master Practitioner em PNL e especialista em gestão de performance e em processos de mentoring e coaching aplicados ao ambiente corporativo. Sócio da Soar Desenvolvimento Humano e responsável pela área de Consultoria em Recursos Humanos.

Devo contratar um estagiário ou profissional experiente?

Aproveite o feriado para pensar em sua carreira

5 dicas para o trabalho temporário virar efetivo