Você vai ser substituído por um robô?

Segundo uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em torno de 57% das vagas de emprego estão suscetíveis à robotização e automação. Ou seja, mais da metade das funções exercidas hoje pelo homem podem ser substituídas por máquinas. Outra previsão é a de que 65% das crianças vão trabalhar em empregos que ainda não existem, segundo o Fórum Mundial Econômico.

Se você já parou para pensar nisso, já deve ter se perguntado: “eu serei substituído por um robô?”

Para Ronaldo Cavalheri, Engenheiro Civil, Diretor do Geral do Centro Europeu – primeira escola de economia criativa do Brasil e Business Development Manager do Microsoft Innovation Center Curitiba, todo trabalho que envolva atividades repetitivas e com uma lógica previsível, que não precise de socialização e intervenção criativa, que não resolva nenhum tipo de problema complexo e que ainda coloca em risco a vida será substituído por uma máquina.

Com isso fica fácil concluir que os trabalhos que não serão substituídos por robôs serão aqueles exigem  que o profissional tenha características como criatividade, capacidade de aprendizado e de adaptação, visão do momento e facilidade para se relacionar. São as soft skills as competências e habilidades mais desejadas para os profissionais do século XXI. Mais relevante do que uma coleção de diplomas e certificados técnicos, as características comportamentais e sociais é que manterão o espaço das pessoas no mercado combinada com toda a tecnologia disponível.

E como desenvolver as soft skills? Algumas pessoas têm habilidades natas e outras precisam correr atrás. E sim, é possível desenvolver essas características, segundo Cavalheri, é preciso treino. Erroneamente muitos profissionais só enxergam o ensino tradicional como ambiente de capacitação. Mas, se falamos de comportamento, logo temos que estar em contato com outras pessoas onde possamos exercer essas competências: é preciso viver experiências diferentes, com pessoas diferentes sempre.

Em um trabalho voluntário, por exemplo, é possível desenvolver habilidades como relacionamento interpessoal e o espírito colaborativo. Em um Hackathon, que são iniciativas que estimulam a inovação, os participantes colocam a prova o seu potencial de resolver problemas complexos e extrapolar sua visão empreendedora. Em um curso de Fotografia é possível desenvolver um pensamento crítico e estimular o olhar criativo. Independente da área de atuação é preciso se colocar em situações desafiadoras que auxiliem no desenvolvimento de características fundamentais para qualquer profissional de sucesso.

O avanço da tecnologia é inevitável, a robotização em massa será uma realidade, pode ser que nem todos acompanhem essa evolução. A vida é feita de escolhas, nós somos feitos de escolhas. Você vai escolher ser substituído por um robô?

Barreiras da inclusão no mercado de trabalho

Como conseguir emprego sem experiência?

No mercado de trabalho, quem senta no Trono de Ferro?