Como você lida com o seu dinheiro?

Por Beatriz Nunes Bernardi e Sueli Capovila*

Como você lida com o seu dinheiro? Nossa vida é cheia de altos e baixos.  Em alguns momentos tudo parece caminhar bem, com ótimos resultados, às “mil maravilhas”, como se diz por ai. Novos desafios, alegria em casa, um bom trabalho e a possibilidade de aumentar o padrão de vida. Nessas horas, temos a sensação de que o sucesso é a nossa marca registrada e vai perdurar para sempre.

Todos torcemos para que períodos assim se tornem cada vez mais duradouros e comuns, mas a verdade é que as crises (inclusive as pessoais) sempre acontecem, por mais que as tentemos evitar.

Pensando no aspecto financeiro, a pergunta que devemos fazer é: como o dinheiro deve ser gerido em um período de vacas magras, especialmente se eu não me preparei adequadamente para esse momento? O primeiro passo é mudar de atitude. Crises são uma constante na vida de todos, mas podem significar uma mudança para melhor em nossas vidas. Como no provérbio chinês, a crise é uma oportunidade de fazer diferente, de recomeçar e de aprender com os nossos erros.

Nada mais eficaz diante de uma crise financeira do que cortar os supérfluos e reorganizar o orçamento doméstico. Reflita sobre todos os seus gastos fixos e tente encontrar uma maneira de economizar.

Portanto, desenvolva bons controles. Controle é indispensável para ter uma vida financeira equilibrada e você deve se acostumar com essa ideia. Tenha conhecimento de todos os detalhes e, na hora em que o cinto apertar, você terá muito mais facilidade para cortar o que não é fundamental.

Outra pergunta sob medida é “você trata seu dinheiro com respeito?”. Diz um ditado popular que ”dinheiro não aceita desaforo”. Uma atitude positiva em relação às finanças encurta caminhos e torna mais fácil o alcance de metas e objetivos pessoais.

Dinheiro e fatores emocionais

O que sentimos em relação ao dinheiro? É importante entender quais os sentimentos que estão relacionados a esse setor de nossas vidas. Pode ser insegurança, medo, angústia, inferioridade etc. E o que o dinheiro significa para você? Felicidade? Poder? O que mais?

A pessoa que se endivida e não consegue sair do vermelho precisa buscar um nível maior de autoconhecimento. É importante compreender qual o complexo de emoções que está em ação e o que a impede de se organizar. A terapia pode ser uma ótima ferramenta para isso. Muitas vezes apenas uma consultoria financeira não resolve, porque com o tempo a pessoa acaba voltando a se endividar.

Endividamento x planejamento

A compulsão por comprar muitas vezes está relacionada a um sentimento de vazio ou angústia. Frustrações na vida profissional ou pessoal podem levar o indivíduo a querer comprar mais.

É comum ouvir “gastar para se sentir melhor” ou “gastar para esquecer os problemas”. Nesse sentido, temos que aprender a enfrentar nossos medos! O ato de se endividar pode estar ligado aos valores pessoais e familiares. É importante dar atenção aos padrões familiares: se os pais ou avós gastavam bastante ou faziam dívidas constantes, isso pode tornar-se comum à pessoa. Nós tendemos a repetir um padrão familiar.

É preciso criar um plano financeiro, com prioridades e estratégias para organizar as dívidas. Para isso é preciso ter autocontrole e acreditar mais em si mesmo. Conscientizar-se de fraquezas, angústias, padrões familiares, crenças e valores para, a partir dessa conscientização, abrir um espaço propício às mudanças.

Em muitas ocasiões, precisamos de uma ajudinha para sair do sufoco e dai fazemos um empréstimo em um banco, porém, se não analisarmos com cuidado a tomada deste crédito, está decisão pode, na verdade, ser uma porta de entrada para um beco sem saída.

*Beatriz Nunes Bernardi é Psicóloga e Sueli Capovila é analista de Recursos Humanos, pós-graduada em gestão de pessoas. Ambas atuam do Departamento de Recursos Humanos da Mega Sistemas Corporativos.

Como montar um bom currículo?

Você está preparado para atuar no RH do futuro?

Como é a técnica da constelação aplicada a você e…