O dia da remuneração

Colunista: Sebastião Augusto PerossiAconteceu em setembro, em Campinas (SP), o dia da remuneração. Apesar do cenário econômico e político que vem afetando o mundo corporativo, empresas de diferentes segmentos de atuação participaram deste evento, a fim de conhecer e entender as ferramentas aplicadas em remuneração, bem como compartilhar e discutir as experiências vivenciadas em suas empresas.
As discussões e reflexões passaram pela visão operacional e estratégica de cargos e salários, impactos da legislação no ambiente da remuneração, o direcionamento da remuneração para resultados, descrição, titulação e avaliação de cargos, plano de carreira, como posicionar a remuneração frente ao mercado e negócios, gestão da movimentação das pessoas nas faixas salariais e divulgação do plano de cargos aos funcionários.
As principais conclusões do seminário foram: o plano de cargos e salários deve ser customizado para a realidade de cada organização; os gestores são parceiros de recursos humanos e precisam estar capacitados e informados para suportar e disseminar as políticas junto às suas equipes; comunicar a política de cargos e salários é importante e o grande desafio é “calibrar” a comunicação em função da cultura organizacional e do que efetivamente deve e precisa ser comunicado; atenção com o plano de carreira em relação aos critérios de evolução e diferença entre os eixos da carreira; os critérios chave do plano de cargos precisam ser de conhecimento das pessoas (transparência); ter evidências sobre diferenças salarias para pessoas que realizam a mesma função; mitigar riscos legais e passivo trabalhista quando da formatação do plano; refletir sobre o registro do plano de cargos e salários em relação à burocracia presente e a falta de agilidade dos órgãos legais para atender a manutenção do plano.
O seminário apontou também que, mesmo em momentos de “crise” é de fundamental importância que as empresas mantenham os pilares de sustentação da política.
Congelamentos e/ou suspensão temporária de algumas práticas podem ocorrer e faz parte do processo. Nestas situações, entende-se que deve haver a comunicação das medidas para harmonizar a comunicação interna, bem como evitar os ruídos e comentários paralelos que só trazem “stress” aos gestores.

Plano de Cargos e Salários e o Gênero

A síndrome do teto salarial

Remuneração total