Retenção de pessoas x redução de custos

Colunista: Sebastião Augusto PerossiAs organizações começaram a vivenciar os efeitos macroeconômicos que causam forte impacto na cadeia de custos e nos resultados, um momento temido e que requer muito cuidado e habilidade na tomada de decisões.
Para muitos negócios o sinal já ficou vermelho e percebe-se claramente a redução das atividades econômicas. Neste cenário, em geral, as pessoas são as mais afetadas. Representantes dos trabalhadores e do governo tentam, mas ainda não encontraram o caminho para a manutenção do emprego. Com isto a decisão fica com as empresas, que têm que buscar solução dentro do contexto de cada negócio.
Olhando para os pilares de atração, desenvolvimento, retenção e reconhecimento, eles poderão ficar abalados se a empresa não mapear, identificar e avaliar um mecanismo interno para manter sustentável a prática de gestão de pessoas.
Recomenda-se um melhor planejamento e visibilidade a curto e médio prazo nas ações que envolvem o modelo de gestão. Desestabilizar a estrutura de retenção de pessoas pode trazer impactos de difícil recuperação no presente (clima organizacional) e no futuro (credibilidade e transparência), todavia a empresa precisa manter o negócio sustentável e aí os desafios de como reorganizar os processos e estratégias ficam eminentes.
Será que a melhor estratégia é suspender todo o programa de treinamento e desenvolvimento? Provavelmente uma alternativa é priorizar e direcionar o desenvolvimento e capacitação das pessoas para atividades e/ou competências que são chave e necessárias dentro do processo das operações do negócio e, os demais sejam colocados dentro de uma nova escala de prioridades.
Será que a melhor estratégia é suspender os estudos direcionados para o programa de carreira? Provavelmente uma alternativa é manter vivo o projeto e investir na estruturação e organização dele, a fim de criar mecanismos para evolução das pessoas dentro da organização, conforme as oportunidades que forem criadas.
Será que a melhor estratégia é suspender todo o programa de reconhecimento salarial (ex. reajustes por mérito)? Provavelmente uma alternativa é priorizar e direcionar os reajustes por mérito para as pessoas que estão excedendo as entregas e contribuindo no alcance e/ou superação dos objetivos estabelecidos pela empresa.
Será que a melhor estratégia é suspender todo o programa de promoção? Provavelmente uma alternativa é priorizar e direcionar os reajustes para as pessoas que já estão exercendo o novo papel/função, até para mitigar riscos trabalhistas, pois precisam ser posicionadas no cargo/nível da carreira corretos.
As ações precisam ser comunicadas para fortalecer o canal junto aos gestores e respectivos times e, mostrar o empenho da empresa na manutenção, mesmo que parcial, das práticas de gestão.
A história mostra que este ciclo tem um período e que quando da retomada a empresa precisa estar preparada para atender a demanda. Ajustar e colocar os programas na ativa é mais saudável do que reconstruir. Portanto avalie adequadamente o cenário para suportar as ações a serem tomadas.

Plano de Cargos e Salários e o Gênero

O dia da remuneração

A síndrome do teto salarial