O perfil do líder democrático

Por: Roni Silva

 

Em uma época em que a geração Y já domina o mercado de trabalho com seu espírito inovador e participativo, surge um novo tipo de líder, capaz de enfrentar os desafios dos jovens funcionários. Conhecido como líder democrático, sua principal característica é a inclusão de seus liderados na tomada de decisões.

Conheça a seguir o perfil completo desse novo tipo de chefe e porque ele está se tornando cada vez mais comum nas empresas de sucesso.

Perfil do líder democrático

O líder democrático é aquele que praticamente divide a tarefa de liderança com seus funcionários. Ele incentiva a participação de seus liderados em todos os projetos da equipe. Mesmo que um profissional não esteja trabalhando em uma demanda específica, ele não só tem o direito de se envolver, opinar e dar sugestões, como é incentivado a isso.

Essa comunicação efetiva é trabalhada principalmente em situações em que há a necessidade de ouvir os feedbacks da equipe, como em reformulações de processos ou construções de projetos inovadores dentro da empresa. Sabendo dividir bem suas responsabilidades com a equipe, esse tipo de chefe consegue altos níveis de rendimento e produtividade de seu time.

Como identificá-lo

Quando trabalha em equipe, o líder democrático tende a se colocar como orientador do grupo. Ele ajuda na definição do problema e incentiva a equipe a participar até que todos, como um grupo, possam chegar às soluções para o problema. Ao longo do processo, ele coordena as atividades e sugere ideias que possam ajudar a equipe na resolução.

Profissionais que tem liderança nata, trabalham bem em equipe e não têm problemas em tomar decisões em conjunto são muito provavelmente líderes do tipo democrático. Suas principais características são, portanto:

  • administração participativa;
  • líder como incentivador;
  • estratégia de interdependência entre profissionais;
  • decisões repartidas.

Outra característica bem presente nesse tipo de líder é a boa comunicação, já que a todo momento ele deve interagir com a equipe, inclusive incentivando os funcionários mais tímidos a participarem das discussões.

Vantagens desse tipo de liderança

A grande vantagem é que o funcionário se sente valorizado quando é envolvido nos processos da empresa. Além disso, as equipes tendem a se unir mais e os funcionários admiram o chefe ao invés de temê-lo.

Os grupos que trabalham sob esse tipo de liderança costumam ter maior rendimento também, à medida que se comprometem mais com o trabalho e os resultados.

A motivação do líder acaba inspirando um clima de satisfação e responsabilidade.

Os funcionários também se sentem como donos da empresa, querem que ela cresça e se esforçam para que isso aconteça. Então é importante que, além de dar espaço e ouvir todos da equipe, o líder democrático também saiba valorizar e recompensar os esforços de sua equipe para que ela continue com engajamento total.

Desvantagens desse tipo de liderança

Em contrapartida, é preciso tomar cuidado com esse tipo de líder para que ele não delegue demais e se torne refém de sua própria equipe. Quando o time começa a se manifestar em momentos que não deveria, significa que o chefe perdeu a mão e acabou dando liberdade demais aos funcionários. Assim, o líder democrático deve balancear a abertura de espaço para diálogo com objetividade e foco nos resultados.

Outro ponto para o líder tomar cuidado é com as relações entre os funcionários. Para não haver discórdias entre a equipe, é fundamental que ele faça a mediação de reuniões, apaziguando eventuais discussões. Para isso, ele deve ser sempre impessoal e objetivo em sua fala, mesmo quando for fazer críticas ou elogios. Uma regra válida é fazer observações pessoais a sós e feedbacks gerais para o grupo como um todo.

Como ser um líder democrático

Se você trabalha em uma posição já de liderança, comece a ouvir mais seus subordinados. Incentive-os a participar ativamente promovendo reuniões de brainstorming com a equipe, por exemplo.

Sempre que possível, deixe que a própria equipe defina o que cada um irá fazer em um projeto e nunca se esqueça de dar feedback a seus funcionários. Lembre-se que, para ser um líder democrático, você deve ouvir todos e unir seu time, então se for necessário, trabalhe também como um mediador entre os funcionários para que tudo corra bem.

Agora, se você ainda não tem um cargo de chefia, mas sente que tem as características de um líder democrático, tente incentivar seu chefe e seus colegas a trabalharem de forma mais colaborativa. Mesmo sem coordenar os projetos, a influência de um perfil democrático é positiva em todas as equipes.

Além disso, liderança é algo a ser aplicado não apenas no trabalho, como também na vida pessoal. Portanto, busque cultivar as características positivas do líder democrático também em seu relacionamento com amigos e familiares. Um simples “O que você acha? ”, já faz com que o outro se sinto incluído e valorizado.

Quando contratá-lo

Para saber se esse tipo de líder é a melhor contratação para a sua empresa, avalie as tarefas que serão executadas, as pessoas envolvidas e a situação da empresa como um todo. Se o momento for de unir a equipe e motivá-la, invista no perfil.

Outro momento bom para contratar um líder democrático é quando a empresa está em fase de reformulação ou com novos clientes. Ele é excelente quando é preciso desenvolver novos planos, metas e políticas.

Porém, tenha em mente também que bons líderes são aqueles que têm um pouco do perfil democrático, mas também de outros perfis, como o liberal e o autocrítico. O melhor chefe é aquele que sabe o momento de cobrar e o de incentivar sua equipe, se adequando a cada tipo de situação.

O líder democrático une as pessoas e tem o poder de fazê-las se sentirem parte do processo. O resultado é uma equipe estimulada e motivada a trabalhar com responsabilidade e comprometimento com os resultados. Tenha um perfil desse tipo em sua empresa que você não irá se arrepender.

 

Libras: conheça as profissões

Qual a diferença entre auxiliar e assistente financeiro?

Desemprego causa depressão? Impactos emocionais da falta de trabalho