Como superar a transição da universidade para o trabalho

A transição que ocorre da saída da escola/faculdade até a inserção no mercado de trabalho é sempre uma fase difícil. Atualmente, essa transição dura mais do que deveria, pois há uma infinidade de opções de carreira, os jovens tendem a se conhecer muito pouco e sempre ocorre uma nociva pressão dos parentes e da sociedade para que a escolha do caminho profissional ocorra o mais rápido possível.

A transição para a vida adulta é repleta de desafios e mudanças, e os medos e resistências se misturam dificultando a escolha de uma carreira ou de como iniciar o caminho profissional. Atendo jovens profissionais, mensalmente, com esses dilemas nos processos de coaching. Por isso, listo abaixo quatro fatores importantes que podem facilitar esta transição:

1- Não espere que resultados fantásticos caiam do céu rapidamente

Entender qual trabalho te realiza pode demorar um certo tempo. Talvez seja necessário experimentar trabalhos diferentes, perseverar em alguns que não se identifica e até assumir posições em diferentes níveis hierárquicos. Estas experiências funcionam como uma pesquisa imersiva para que possa descobrir o seu caminho profissional ideal e aprofundar nessa jornada a partir dos seus 30 anos.

Apenas uma minoria das pessoas já sai da faculdade com uma clareza enorme sobre qual a profissão mais adequada para suas vidas. Grande parte dos profissionais só desenvolve esta certeza após experimentar diferentes trabalhos ou quando aumentam o seu autoconhecimento.

 

2- Enfrente os riscos que apareceram

A única forma de descobrir o tipo de trabalho que você realmente gosta é vivenciando atividades, desafios e peculiaridades existentes na rotina profissional. Por isso, aceite os riscos de mudar de trabalho e experimentar áreas de negócio e empresas com diferentes perfis.

O que para alguns pode ser uma escolha profissional errada, para você pode ser mais um aprendizado, até mesmo relacionado à qual carreira deve se afastar no futuro. Mas você só terá esse conhecimento se arriscar e aceitar a mudança.

 

3- Atente-se a possível depressão.

Pessoas de 20 e poucos anos constituem um dos maiores grupos de risco para desenvolvimento de depressão. Esta transição para a vida adulta é realmente difícil. O final da vida escolar (ou da faculdade) representa a perda de amigos, o distanciamento de conhecidos, a construção de novos relacionamentos e a tomada de decisões que definirá o rumo de sua vida para sempre.

Toda essa pressão e dificuldade em lidar com a mudança pode ser o primeiro passo para o desenvolvimento de uma depressão, uma doença séria e que deve ser tratada como tal. Lembre-se que a depressão é uma doença tratável, portanto, no primeiro sinal, busque um profissional.

 

4- Conte com mentores e pessoas que possam te ajudar.

Ter fortes referências para te apoiar na tomada de decisão quando não possui recursos necessários, experiência de vida e nem segurança é fundamental para dar passos mais certeiros rumo ao seu futuro. Estes mentores podem ser seus pais e professores, mas conhecer e estar próximo a pessoas que tenham carreiras de sucesso farão você avançar ainda mais rápido.

No caso de não possuir ótimas referências com carreiras de sucesso para te ajudar, conte com um profissional. Seja um mentor, um conselheiro profissional ou um coach, busque alguém que desenvolveu uma carreira sólida, com resultados claros, pois apenas essa experiência poderá te ajudar. Afinal, você aceitaria conselhos profissionais de alguém que não construíram uma carreira de sucesso, nem ajudaram outras pessoas a desenvolverem as suas carreiras?

 

_

Sobre o autor
Allan Lopes é  Coaching Sistêmico, membro da Internacional Coach Federation, Master Practitioner em PNL e especialista em gestão de performance e em processos de mentoring e coaching aplicados ao ambiente corporativo. Sócio da Soar Desenvolvimento Humano e responsável pela área de Consultoria em Recursos Humanos.

Devo contratar um estagiário ou profissional experiente?

Aproveite o feriado para pensar em sua carreira

Eu posso trabalhar com horário flexível?