Sem emprego na crise do Coronavírus? 5 passos para voltar ao mercado de trabalho

Sem tempo para ler? Que tal conferir a narração desse texto? Clique no play ou faça o download para ouvir offline!

emprego na crise coronavírus

Perdeu o emprego por causa do Coronavírus? Ou você está sem trabalhar há muito tempo e agora está ainda mais preocupado para saber quando sua contratação vai realmente acontecer? Acompanhe as dicas para acelerar sua volta ao mercado de trabalho.

Por que buscar emprego na crise do Coronavírus?

Assim que os casos de COVID-19 passaram a se intensificar, tanto no nosso país, quanto no mundo, mesmo com uma série de incertezas sobre os rumos que as situações tomarão, foi possível ver com clareza o cenário de instabilidade econômica que se instaurou. Diante das medidas de contenção da pandemia, aderimos a quarentena, que impacta diretamente o faturamento das empresas e, em muitos casos, zera os rendimentos dos profissionais autônomos. E assim, projetou-se um cenário de desemprego extremamente grave.

Mas em meio a este quadro caótico, será que buscar emprego deve deixar de ser uma alternativa? Não. A busca não precisa necessariamente parar. Apesar das evidentes dificuldades, o momento também pode reservar oportunidades para quem quer voltar ao mercado de trabalho, afinal, paralelamente às demissões, também há áreas aquecidas contratando devido aos novos comportamentos e necessidades da sociedade.

É claro que, antes de qualquer coisa, você precisa entender como sua mente está processando tudo isso que vem acontecendo. Entender se há uma sobrecarga emocional. E, principalmente, entender se você não faz parte dos grupos de risco e se está disposto a se expôr. Pois mesmo com empresas tocando suas contratações de forma remota e adotando o home office como formato de trabalho, em outras oportunidades talvez você precise sair do isolamento social.

Agora, se você considera que a busca por um novo emprego durante a crise do Coronavírus é uma opção para você, é hora de definir a estratégia para tirar as ideias do papel. 

1- Análise do mercado de trabalho

Áreas em alta com oportunidades de emprego durante a crise do Coronavírus:

Com a mudança de comportamento da sociedade, houve também alterações nos hábitos de consumo de produtos e de serviços. Sem sair para trabalhar e com a recomendação de evitar ao máximo se locomover, as pessoas rapidamente readequaram o modo de comprar. Ao ir no supermercado, compram em grandes quantidades; utilizam mais os serviços de delivery, e-commerce, internet e streaming. Nisso, surge um reaquecimento em diversos setores ocasionado pela alta de demanda e procura. As empresas desses setores já observaram a necessidade de ampliar os processos de suporte internos.

Além dessas áreas, a área que mais se destaca e mais oferece oportunidades de emprego durante a crise do Coronavírus é a da Saúde e Farmácia.

Um levantamento do site de empregos Catho, mostrou as profissões que apresentaram maior crescimento no número de abertura de vagas de trabalho durante a pandemia. 

A comparação foi feita entre os meses de março de 2019 e março de 2020 e revelou que os cargos relacionados às áreas da saúde, supermercadista, farmácia e logística foram os que mais apresentaram crescimento desde o início do isolamento social, tendo um aumento de 500% de abertura de vagas entre um período e o outro.

A área da Saúde, por exemplo, chegou a anunciar mais de 3.700 vagas no site de emprego em uma única semana. E a profissão de Enfermeiro de UTI teve um aumento de 718% em relação ao ano anterior. Já a área Supermercadista anunciou mais de 6 mil oportunidades de emprego.

Confira a relação de 15 cargos com aumento de emprego durante a crise do Coronavírus

Enfermeiro de UTI: aumento de 718%
Técnico de enfermagem: aumento de 708%
Auxiliar de Loja (supermercado): aumento de 691%
Bombeiro Civil (segurança do trabalho): aumento de 500%
Enfermeiro: aumento de 397%
Operador de Caixa (supermercado): aumento de 210%
Repositor (supermercado): aumento de 203%
Encarregado de Limpeza: aumento de 71%
Auxiliar de Farmácia: aumento de 70%
Motorista (logística/armazéns): aumento de 62%
Assistente de Transportes (logística/armazéns): aumento de 59%
Assistente de Logística: aumento de 48%
Auxiliar de Logística: aumento de 43%
Farmacêutico: aumento de 38%
Auxiliar de Serviços Gerais: aumento de 37%

Se em meio a este cenário de oportunidades aquecidas, você vê espaço para o seu perfil profissional, o sinal está verde para se empenhar na procura por um novo trabalho. 

Você pode também avaliar a possibilidade de se arriscar em uma nova profissão, mesmo que temporariamente e que não seja o emprego dos seus sonhos, para manter as contas pagas e não estender-se no desemprego enquanto os índices estiverem altos.

2- Qualificação profissional durante a crise do Coronavírus

O próximo passo para se colocar à disposição no mercado de trabalho é identificar as habilidades requeridas para o cargo que você vai buscar. Muitas dessas áreas não exigem grandes capacitações técnicas, e outras podem facilmente ser adquiridas em cursos disponíveis na internet, inclusive gratuitamente. Alguns conhecimentos são complementares de diversas áreas. Por exemplo, se você costuma atuar na área administrativa como auxiliar, terá facilidade em buscar informações e conceitos para se preparar para trabalhar como assistente de logística.

3- Melhore o seu currículo

O currículo continua sendo o passaporte de entrada para qualquer profissional que procura um novo emprego. Segundo uma pesquisa da Catho, para 75% de recrutadores, o currículo ainda é considerado “muito importante”, enquanto 24% o julgam apenas como “importante”. E, em média, o tempo que eles levam para desclassificar um currículo é de 10 segundos. Por isso você deve levar a elaboração dele a sério. Confira algumas dicas que vão ajudar neste processo:

Se você é um profissional muito experiente, informe apenas o que é relevante. Elimine  informações que não são relevantes para vaga pretendida e destaque aquelas que podem favorecer a sua seleção.

Simplifique a sua comunicação. Formalidade demais pode prejudicar a clareza e objetividade da análise do seu currículo.Seja direto e claro como se precisasse explicar sua trajetória profissional para qualquer pessoa.

Descreva os resultados que obteve na carreira. A apresentação de números traz segurança sobre o que você é capaz de desempenhar e fará o recrutador sentir mais confiança. Se você tem bastante experiência, conte sobre as conquistas de resultados como redução de gastos, aumentos de vendas, agilidade de processos, etc.

Faça um resumo das suas qualificações logo abaixo dos seus dados pessoais e cargo de interesse. Neste item, você sintetiza em cerca de 3 ou 4 linhas seu objetivo profissional, habilidades, conhecimentos e experiências.

Se você busca o primeiro emprego, uma opção é incluir trabalhos e projetos acadêmicos. A participação em projetos de iniciação científica, congressos ou competições acadêmicas são ótimas oportunidades de demonstrar que você sabe trabalhar em grupo, possui um pensamento inovador e mostram um pouco do seu perfil profissional.

Cuide da estética do seu currículo. Atente-se ao tamanho, que idealmente deve ter uma ou no máximo duas páginas; cuide do ajuste dos parágrafos e fontes. Cuidado também para não fugir da simplicidade e poluir o seu currículo.

4- Aplique-se às vagas

Sites de emprego são as alternativas mais eficazes para a busca por emprego. Alguns deles oferecem soluções completamente ou parcialmente gratuitas, como é o caso da Catho. Nestes casos, você tem a possibilidade de se candidatar às vagas para que os selecionadores das empresas avaliem seu perfil e entrem em contato com você. Então, quanto mais currículos você manda, maiores são suas chances de receber contatos. Paralelamente, as empresas também podem encontrar você dentro do banco de currículos dos sites. A Catho Empresas liberou acesso 100% gratuito para as empresas buscarem candidatos por 60 dias durante a Coronacrise.

Para ampliar ainda mais o leque de oportunidades, não se esqueça de utilizar as redes sociais para encontrar vagas e criar uma boa reputação da sua imagem, além de manter relacionamento com outros profissionais, sejam ex-colegas de trabalho, de estudos e todos aqueles que possam vir a te indicar para uma posição.

5 – Treine para a entrevista

Se tem uma coisa que o distanciamento social não te impede de fazer é treinar entrevistas. Você e você diante de um espelho ou uma câmera é o suficiente para avaliar seu desempenho diante de um entrevistador.

Mesmo que a conversa com ele seja por vídeo-chamada, seu corpo passa mensagens que impactam positiva ou negativamente a decisão final. Evite movimentos repetitivos como mexer nos cabelos e balançar a cadeira. Mantenha também firmeza na voz e olhos nos olhos – ou na câmera –  o tempo todo.

Treine as respostas que você daria. Se você planejar antes sua fala, vai evitar o nervosismo e contar melhor a sua história. Para isso, tenha em mente que recrutadores questionam sobre suas experiências, decisões de carreira, formas de se relacionar, defeitos e qualidades.

Coronavírus: o que esperar do mercado de trabalho?

Mulheres no mercado de trabalho: panorama da década

A crise bateu na porta? Não deixe ela entrar!