Home Office em crescimento: mais de 25% trabalham em casa uma vez por semana

Pesquisa da Catho indica que os impactos na produtividade profissional são positivos para 72% dos respondentes 

Pra você, home office já é uma realidade? Para 25% dos profissionais, o trabalho remoto já é uma prática presente por, pelo menos, uma vez por semana, conforme indicou a Pesquisa dos Profissionais Brasileiros da Catho. Realizada em espaços alternativos – cafés, parques, lanchonetes ou até mesmo, em casa – a modalidade tem sido cada vez mais introduzido pelas empresas e está sendo apontada como uma das grandes tendências para o futuro. 

O levantamento apontou a periodicidade com que os profissionais executam home office: uma vez por semana (9%), de uma a duas vezes por semana (6%), de duas a três vezes por semana (3%) e mais de três vezes por semana (7,5%).

Para Maiara Tortorette, gerente da Catho, para um futuro próximo, o conceito de confiança será cada vez mais presente. A relação será construída por meio de resultados e entregas, sem ter como base as tradicionais 44 horas semanais dentro de um escritório.

“A inserção desse modelo de trabalho será inevitável, principalmente com a expansão dos negócios ligados à área de tecnologia. Na Catho, por exemplo, já incorporamos o trabalho remoto até três vezes por semana e, alguns times, já são formados remotamente, se interligando de diferentes locais do Brasil com um único propósito”, afirma.

Ainda de acordo com a pesquisa, a produtividade é uma vantagem destacada pelos profissionais que fazem home office. 72% deles disseram que os impactos são positivos, enquanto para 24,5% são neutros.

“Muito se fala sobre futuro digital com automatização de processos, mas a realidade é que será fundamental investir em humanização. Ser digital é imprescindível, já observamos isso no presente, porém investir em pessoas será a chave do sucesso e diferencial competitivo dos talentos mais disputados do futuro”, enfatiza Tortorette.

#MáscaraSalva | Máscara Inclusiva para deficientes auditivos

Impactos da pandemia na geração de empregos

5 áreas em alta que estão contratando mesmo na crise